Durante este ano, assinalarei aqui acontecimentos importantes do reinado de Dom Dinis, à medida que forem acontecendo os respetivos aniversários, assim como transcreverei excertos do meu romance sobre o Rei Lavrador.

11
Fev 16

Dinis e Isabel - Leiria.jpg

 

 

Estátuas de Dom Dinis e Dona Isabel em Leiria

 

 

 

 

Faz hoje 735 anos que Dom Dinis e Dona Isabel casaram por procuração.

 

O matrimónio de Dom Dinis representou um problema, pois, por desavenças entre seu falecido pai Afonso III e o clero, o reino de Portugal esteve sob interdito durante cerca de vinte anos, ou seja, as igrejas mantiveram-se fechadas, sendo proibidas todas as cerimónias religiosas e os sacramentos.

 

Assim que ficou estabelecido o consórcio com Dona Isabel, a fim de quebrar a supremacia de Castela, Dom Dinis nomeou três procuradores, que, a 11 de Fevereiro de 1281, representaram, por palavras de presente, o seu monarca na cerimónia de recebimento de Dona Isabel de Aragão, no Paço Real de Barcelona. Os três procuradores eram os cavaleiros João Pires Velho e Vasco Pires e o clérigo Dom João Martins de Soalhães, futuro bispo de Lisboa.

 

Excerto do meu romance:

Foi então com Grácia Anes que Dinis estreou os restaurados aposentos no Palácio da rua Padelo à Alcáçova. O novo soalho cheirava à madeira fresca, as paredes haviam sido caiadas e guarnecidas de novos tapetes e a alcova real resplandecia de sedas e veludos.

A gentil barregã, porém, não o encantava apenas nos momentos íntimos. Nesse Inverno, viviam-se na corte lisboeta serões cheios de música, poesia e outras atividades de bom gosto: jogava-se o xadrez, proseava-se sobre falcoaria e organizavam-se caçadas, nas quais as senhoras participavam. Grácia Anes inspirava igualmente os outros trovadores, que disputavam o seu amor platónico.

Dir-se-ia que a corte portuguesa encontrara a sua rainha… Não fosse uma mocinha aragonesa de dez anos, ainda alheia a tais sucessos. Enquanto Dinis vivia o seu romance idílico e os encantos de Grácia Anes eram cantados no Paço Real da Alcáçova, o clérigo João Martins de Soalhães e os cavaleiros João Pires Velho e Vasco Pires encontravam-se em Aragão, a fim de representarem el-rei na cerimónia de casamento por palavras de presente. A 11 de Fevereiro de 1281, no Paço Real de Barcelona, a infanta Dona Isabel de Aragão tornou-se na rainha consorte de Portugal.

 

Dona Isabel era filha do rei Dom Pedro III de Aragão e de Dona Constança da Sicília. A noiva só deu entrada em Portugal cerca de ano e meio mais tarde, sendo as bodas do par real festejadas em Trancoso, a 26 de Junho de 1282.

 

Dom Dinis e Dona Isabel estiveram quase quarenta e quatro anos casados.

publicado por Cristina Torrão às 11:36

Andanças Medievais
O meu outro blogue Andanças Medievais A minha página no Facebook Andanças Medievais
Informação
As minhas informações sobre Dom Dinis são baseadas na biografia escrita pelo Professor José Augusto de Sotto Mayor Pizarro (Temas e Debates 2008)
Fevereiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

15
17
18
20

22
23
24

29


pesquisar
 
Viagem Medieval
O reinado de Dom Dinis é o tema da próxima Viagem Medieval em Terra de Santa Maria
mais sobre mim
Vamos salvar o túmulo do rei D. Dinis
Uma página do Facebook que alerta para a necessidade de se restaurar o túmulo de Dom Dinis no mosteiro de Odivelas.
História
Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.
«O passado dos homens não foi só a sua vida pública. Foi também o jogo ou a luta de cada dia e aquilo em que eles acreditaram», Prof. José Mattoso
Que a História também dos fracos reze!
Não há História verdadeira sem a versão dos vencidos.
blogs SAPO