Durante este ano, assinalarei aqui acontecimentos importantes do reinado de Dom Dinis, à medida que forem acontecendo os respetivos aniversários, assim como transcreverei excertos do meu romance sobre o Rei Lavrador.

12
Jul 16

Dona Isabel 1.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imagem encontrada aqui

 

 

A 12 de Julho de 1270, nasceu a infanta Dona Isabel de Aragão, filha de Dom Pedro III e de Dona Constança da Sicília. Dona Isabel tornou-se rainha de Portugal, ao casar com Dom Dinis. As suas bodas foram celebradas em Trancoso, a 26 de Junho de 1282.

 

A relação entre Dom Dinis e Dona Isabel levanta algumas interrogações, por exemplo: porque só tiveram dois filhos, no espaço de dois anos (1290/91), quando estiveram casados quarenta e quatro?

 

Reproduzo uma cena do meu romance, numa altura em que, devido à juventude de Dona Isabel, ainda não existia relação conjugal entre eles:

 

Quando a música cessou, em vez de aplaudir ou elogiar, Isabel ficou fixa nele. Os olhos negros brilhavam intensamente. Gerou-se silêncio, só se ouvia o crepitar do lume… Até que lobos uivaram na serra.

Os alões em frente à lareira ergueram a cabeça inquietos, Dinis e os trovadores entreolharam-se. O uivo dos lobos era muitas vezes considerado mau agoiro quando acontecido no meio do silêncio… Isabel parecia não se dar conta de nada, continuava paralisada, de olhos postos no esposo.

Os trovadores acharam por bem começarem novamente a tocar os seus alaúdes. E Dinis questionou a sua rainha:

- Que tendes? Porque me olhais assim?

Ela estremeceu, como se tivesse acordado de um sonho, e desviou o olhar, mantendo-se calada. Dinis insistiu:

- Não vos agradou a cantiga?

Isabel tornou a encará-lo:

- Adorei. Nunca ouvira cantar tão bonito. E pensar que a entoastes para mim…

- Porque não exprimistes o vosso agrado?

- Perdoai, eu…

- Não quero que peçais perdão! Quero apenas que me digais porque silenciastes.

- Eu… não sei… Há algo no vosso olhar que me prende…

- Sim… Continuai…

- Eu… nunca vi olhos como os vossos. São castanho-claros, da cor do ouro. E tão meigos! Por vezes, penso que poderia ficar horas a admirá-los.

Dinis pegou-lhe na mão. E Isabel corou, pescoço e rosto tornaram-se escarlates. Ele beijou-lhe a mão e notou que a respiração dela acelerava. Inquiriu:

- Causo-vos aflição? Sou-vos desagradável?

- Sim, causais-me aflição… Mas não, não me sois desagradável. Assustais-me! Pergunto-me se é conveniente que me sinta tão atraída por vós, que ache a vossa presença tão agradável, o vosso toque tão… doce!

- Claro que é conveniente. Olvidais que somos unidos em matrimónio? Que é nosso dever dar um herdeiro ao reino?

 

Cover neu3 Dom Dinis 100.jpg

 

O meu romance sobre Dom Dinis está à venda sob a forma de ebook na LeYa Online, na Wook e na Kobo.

 

Para adquirir a versão em papel, contacte-me através do email andancas@t-online.de.

publicado por Cristina Torrão às 11:15

Andanças Medievais
O meu outro blogue Andanças Medievais A minha página no Facebook Andanças Medievais
Informação
As minhas informações sobre Dom Dinis são baseadas na biografia escrita pelo Professor José Augusto de Sotto Mayor Pizarro (Temas e Debates 2008)
Julho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
13
14
16

17
19
21
22
23

25
26
27
29
30

31


pesquisar
 
Viagem Medieval
O reinado de Dom Dinis é o tema da próxima Viagem Medieval em Terra de Santa Maria
mais sobre mim
Vamos salvar o túmulo do rei D. Dinis
Uma página do Facebook que alerta para a necessidade de se restaurar o túmulo de Dom Dinis no mosteiro de Odivelas.
História
Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.
«O passado dos homens não foi só a sua vida pública. Foi também o jogo ou a luta de cada dia e aquilo em que eles acreditaram», Prof. José Mattoso
Que a História também dos fracos reze!
Não há História verdadeira sem a versão dos vencidos.
blogs SAPO