Durante este ano, assinalarei aqui acontecimentos importantes do reinado de Dom Dinis, à medida que forem acontecendo os respetivos aniversários, assim como transcreverei excertos do meu romance sobre o Rei Lavrador.

11
Fev 16

Dinis e Isabel - Leiria.jpg

 

 

Estátuas de Dom Dinis e Dona Isabel em Leiria

 

 

 

 

Faz hoje 735 anos que Dom Dinis e Dona Isabel casaram por procuração.

 

O matrimónio de Dom Dinis representou um problema, pois, por desavenças entre seu falecido pai Afonso III e o clero, o reino de Portugal esteve sob interdito durante cerca de vinte anos, ou seja, as igrejas mantiveram-se fechadas, sendo proibidas todas as cerimónias religiosas e os sacramentos.

 

Assim que ficou estabelecido o consórcio com Dona Isabel, a fim de quebrar a supremacia de Castela, Dom Dinis nomeou três procuradores, que, a 11 de Fevereiro de 1281, representaram, por palavras de presente, o seu monarca na cerimónia de recebimento de Dona Isabel de Aragão, no Paço Real de Barcelona. Os três procuradores eram os cavaleiros João Pires Velho e Vasco Pires e o clérigo Dom João Martins de Soalhães, futuro bispo de Lisboa.

 

Excerto do meu romance:

Foi então com Grácia Anes que Dinis estreou os restaurados aposentos no Palácio da rua Padelo à Alcáçova. O novo soalho cheirava à madeira fresca, as paredes haviam sido caiadas e guarnecidas de novos tapetes e a alcova real resplandecia de sedas e veludos.

A gentil barregã, porém, não o encantava apenas nos momentos íntimos. Nesse Inverno, viviam-se na corte lisboeta serões cheios de música, poesia e outras atividades de bom gosto: jogava-se o xadrez, proseava-se sobre falcoaria e organizavam-se caçadas, nas quais as senhoras participavam. Grácia Anes inspirava igualmente os outros trovadores, que disputavam o seu amor platónico.

Dir-se-ia que a corte portuguesa encontrara a sua rainha… Não fosse uma mocinha aragonesa de dez anos, ainda alheia a tais sucessos. Enquanto Dinis vivia o seu romance idílico e os encantos de Grácia Anes eram cantados no Paço Real da Alcáçova, o clérigo João Martins de Soalhães e os cavaleiros João Pires Velho e Vasco Pires encontravam-se em Aragão, a fim de representarem el-rei na cerimónia de casamento por palavras de presente. A 11 de Fevereiro de 1281, no Paço Real de Barcelona, a infanta Dona Isabel de Aragão tornou-se na rainha consorte de Portugal.

 

Dona Isabel era filha do rei Dom Pedro III de Aragão e de Dona Constança da Sicília. A noiva só deu entrada em Portugal cerca de ano e meio mais tarde, sendo as bodas do par real festejadas em Trancoso, a 26 de Junho de 1282.

 

Dom Dinis e Dona Isabel estiveram quase quarenta e quatro anos casados.

publicado por Cristina Torrão às 11:36

Andanças Medievais
O meu outro blogue Andanças Medievais A minha página no Facebook Andanças Medievais
Informação
As minhas informações sobre Dom Dinis são baseadas na biografia escrita pelo Professor José Augusto de Sotto Mayor Pizarro (Temas e Debates 2008)
Fevereiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

15
17
18
20

22
23
24

29


pesquisar
 
Viagem Medieval
O reinado de Dom Dinis é o tema da próxima Viagem Medieval em Terra de Santa Maria
mais sobre mim
Vamos salvar o túmulo do rei D. Dinis
Uma página do Facebook que alerta para a necessidade de se restaurar o túmulo de Dom Dinis no mosteiro de Odivelas.
favoritos

Hera

História
Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.
«O passado dos homens não foi só a sua vida pública. Foi também o jogo ou a luta de cada dia e aquilo em que eles acreditaram», Prof. José Mattoso
Que a História também dos fracos reze!
Não há História verdadeira sem a versão dos vencidos.
subscrever feeds
blogs SAPO