Durante este ano, assinalarei aqui acontecimentos importantes do reinado de Dom Dinis, à medida que forem acontecendo os respetivos aniversários, assim como transcreverei excertos do meu romance sobre o Rei Lavrador.

14
Fev 16

Cover neu3 Dom Dinis 100.jpg

 

Conto reeditar, no fim deste mês, a versão revista e melhorada do meu romance sobre Dom Dinis, sob a forma de ebook, na LeYa Online. Em Maio, talvez surja uma versão em papel.

 

Para já, deixo-vos com a capa. E um excerto:

 

Num serão de Março, em que os cálices se esvaziavam num ápice, o rei encarregou os trovadores João Anes Redondo e Pêro Anes Coelho de entoarem a sua nova cantiga. Começava com um lamento dirigido à natureza: a donzela pedia às flores notícias do amigo que tardava em aparecer, receando que ele lhe houvesse mentido. O refrão consistia precisamente na pergunta: ai Deus, e onde está?

    Ai flores, ai flores do verde pino
    se sabedes novas do meu amigo!
        Ai Deus, e u é?

    Ai flores, ai flores do verde ramo,
    se sabedes novas do meu amado!
        Ai Deus, e u é?

    Se sabedes novas do meu amigo,
    aquel que mentiu do que pôs comigo?
        Ai Deus, e u é?

    Se sabedes novas do meu amado,
    aquel que mentiu do que m’ há jurado,
        Ai Deus, e u é?

 

A natureza interpelada punha fim à angústia da donzela, dizendo-lhe que o amigo estava vivo e sano e viria ter com ela dentro do prazo prometido. A simplicidade e o ritmo harmónico da cantiga pôs os convivas a cantar o refrão Ai Deus, e u é? em coro:

    Vós me perguntades polo voss’ amigo?
    e eu bem vos digo que é san’ e vivo.
        Ai Deus, e u é?

    Vós me perguntades polo voss’ amado?
    e eu bem vos digo que é viv’ e sano.
        Ai Deus, e u é?

    E eu bem vos digo que é san’ e vivo,
    e será vosc’ ant’ o prazo saído.
        Ai Deus e u é?

    E eu bem vos digo que é viv’ e sano,
    e será vosc’ ant’ o prazo passado.
        Ai Deus, e u é?


Se o fervor dos aplausos surpreendeu Dinis, maior foi o seu espanto, quando se exigiu a repetição da cantiga. Os versos não custavam a fixar e em breve todos cantavam em conjunto com os trovadores, erguendo os seus cálices na altura do refrão: Ai Deus, e u é?
(...)
No dia seguinte, os fidalgos e as damas, ao embrenharem-se pelos prados, começaram espontaneamente a entoar a cantiga do serão:

    Ai flores, ai flores do verde pino,
    Se sabedes novas do meu amigo!
        Ai Deus, e u é?


Parecia feitiço! Dinis espantava-se mais uma vez com o efeito daquela cantiga. Compunha outras bem mais elaboradas e que, embora apreciadas, asinha se olvidavam. Parecia haver magia naquelas palavras e naquele ritmo...

 

 

Nota: Embora transcritas na sua versão original, as cantigas de autoria de Dom Dinis são, no romance, enquadradas num contexto fictício.

publicado por Cristina Torrão às 11:49

Andanças Medievais
O meu outro blogue Andanças Medievais A minha página no Facebook Andanças Medievais
Informação
As minhas informações sobre Dom Dinis são baseadas na biografia escrita pelo Professor José Augusto de Sotto Mayor Pizarro (Temas e Debates 2008)
Fevereiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

15
17
18
20

22
23
24

29


pesquisar
 
Viagem Medieval
O reinado de Dom Dinis é o tema da próxima Viagem Medieval em Terra de Santa Maria
mais sobre mim
Vamos salvar o túmulo do rei D. Dinis
Uma página do Facebook que alerta para a necessidade de se restaurar o túmulo de Dom Dinis no mosteiro de Odivelas.
favoritos

Hera

História
Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.
«O passado dos homens não foi só a sua vida pública. Foi também o jogo ou a luta de cada dia e aquilo em que eles acreditaram», Prof. José Mattoso
Que a História também dos fracos reze!
Não há História verdadeira sem a versão dos vencidos.
subscrever feeds
blogs SAPO